O ex-detetive português não acredita na culpa do principal suspeito alemão no caso Madeleine McCann no exterior

Madeleine “Maddy” McCann desapareceu no dia 3 de maio de 2007, pouco antes de seu quarto aniversário, da casa de férias que seus pais haviam alugado na Praia da Luz, Portugal. O judiciário alemão anunciou no ano passado Christian Bruckner alemão Suspeita.

Amaral disse à AFP que as autoridades alemãs “criaram um suspeito”, após a publicação de um novo livro sobre o caso denominado “Maddy: Enough of Lies”. “Se eles (as autoridades alemãs) tivessem alguma coisa contra ele, ele teria sido acusado e condenado”, disse o português. Ele acrescenta que ainda não há evidências do sequestro.

Quatorze meses depois de uma investigação polêmica, na qual os pais também suspeitaram, a polícia portuguesa resolveu o caso, apenas para reacendê-lo cinco anos depois. O alemão estava na lista de interrogados, mas a polícia não o encontrou e não conseguiu falar com ele em 2007. Segundo Amaral, a polícia teve de insistir em falar com ele.

Em 2008, o ex-investigador também publicou um livro sobre o mistério. Nele, ele disse que os pais estavam envolvidos no desaparecimento. Os pais entraram com um processo por difamação e queriam que o livro fosse banido. Depois de ser condenado em 2015, foi absolvido em 2017.

Leia também.

READ  Amsterdamse recebeu jornais de 20 anos por seis meses ...

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

guiadigital.info