Metissen processa Estado belga por sequestro e agressão | No exterior

Sessenta anos depois, cinco mulheres que trabalhavam como parteiras infantis no centro missionário de Katende, no Congo, processaram o Estado belga por sequestro e agressão. Eles também sentem que suas identidades foram destruídas por motivos étnicos. Portanto, por causa da cor da pele, escrevem os jornais Media Hayes.




“Não queremos condenar o colonialismo em sua totalidade”, disse o advogado de Bruxelas Michel Hirsch. “Exigimos a ordem do governo belga para reparar os danos que causou a essas mulheres.”

€ 50.000

Ninguém sabe quantas crianças nasceram na época colonial – filhos de mães congolesas e pais belgas. As cinco mulheres que agora estão trazendo um caso para a Bélgica não foram despejadas quando o Congo conquistou a independência.

Os advogados exigiram uma indemnização provisória de 50.000 euros por cada uma das cinco mulheres e a nomeação de um perito para apuramento do verdadeiro dano moral. O caso será levado ao Tribunal Civil de Bruxelas na quinta-feira.

Absolutamente absoluto

No Congo, Ruanda e Burundi, não havia lugar sob a tutela belga dos Métis ou “crianças mestiças”, e brancos e negros tinham que viver estritamente separados naquela época. As mães africanas de Métis estão sob pressão para desistir de seus filhos. Então, eles acabaram como “filhos do pecado” nas instituições católicas.

Muitos deles foram enviados para a Bélgica para crescer em orfanatos, sanatórios ou com seus pais adotivos. Desta forma, muitos menores foram separados de suas famílias.

READ  Biden e Macron conversam novamente após o caso do submarino

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

guiadigital.info