Abril 14, 2021

guiadigital.info

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais no Guia Digital.

Mais de 3.000 novas ‘recuperações’ do templo em Portugal: 38 mortes, 691 novas infecções

Diante disso, a lenta recuperação de Portugal da devastação provocada pelo Covit-19 em janeiro é certa. Hoje Boletim Mais de 3.000 pessoas que anteriormente se acreditava estarem infectadas foram resgatadas, com 38 mortes e 691 novas infecções.

Os hospitais agora têm menos de 2.000 e o número de pacientes em UTIs está diminuindo – de 600 para 446 nos últimos sete dias.

Mas há algo ‘no ar’ que agarra os sentimentos das pessoas. Pode ser verdade que a Ministra da Saúde Marta Demido sublinhou hoje que ‘falar sobre a reabertura de escolas é muito cedo’; Isso pode ser um alerta de especialistas sobre o “risco de múltiplas cepas” se espalhando pelo mundo (acredita-se que pelo menos três delas superem a imunidade fornecida pela vacina); As autoridades daqui podem ter realmente reduzido o número de testes realizados contra o aumento deles (fomos informados que era um projeto nacional)

Qualquer pessoa com quem você falar mencionará esse problema de teste. “Se o teste for reduzido, o número de novas infecções certamente diminuirá”, gritam.

Então, onde isso realmente nos deixa?

Baseado em hoje Boletim, Devemos todos estar felizes. O país tem 65.793 epidemias ativas; 723.465 pessoas estão ‘curadas’ e o número de novos casos está abaixo de 1.000 (bem abaixo).

Se calcularmos a percentagem de mortes causadas pelo Covit-19 em Portugal, é superior a 2% (estima-se que 16.389 mortes no universo de 805.647 pessoas tenham sido infectadas com o vírus desde março passado).

Mas alguns países noutras partes da Europa não vão tão bem – e em Portugal, o ‘desconfinamento’, o momento em que o país pode dar o seu melhor (que é o turismo), a situação para além das nossas fronteiras é importante.

De acordo com um relatório internacional, a Áustria estendeu suas operações de bloqueio, nem mesmo permitindo comida ao ar livre até a Páscoa, já que as taxas de eventos nas regiões orientais do país dobraram no mês passado; A França também declarou que precisa de ‘mais tempo’ e que mais ações são necessárias, antes de flexibilizar as sanções – a Finlândia declarou estado de emergência.

O Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças adverte que “embora a maioria dos países esteja experimentando taxas de casos estáveis ​​ou em declínio, a prevalência ainda é generalizada na UE / EAA com um aumento de 19% nas matrículas e / ou acomodação em hospitais ou UTIs”.

Isto pode ser devido à relutância das autoridades em mostrar muita felicidade no declínio dos números de Portugal.

Outra coisa menos positiva é o que parece estar a acontecer na Madeira: o número de novos casos aumentou para 140 nas últimas 24 horas (ao contrário de zonas como Alcarve (+11), Allendez (+27) e Açores (+19)).

Na semana passada foi destacado como fonte na Organização Mundial da Saúde: “Se deixarmos esse vírus reaparecer. Não permitiremos que seja levado novamente. “

O mundo não pode ser igualmente ‘fechado’.

READ  Paula (24) de Portugal: 'De repente eu era uma pessoa matinal'

Por enquanto temos de reportar o ‘boletim’ diário e esperar até 11 de março, altura em que o governo português afirma ter apresentado o seu roteiro a partir de um bloqueio e estima-se que vá custar ao país “pelo menos mil milhões de euros” em o final de março.

[email protected]