Macron viaja a Moscou para se encontrar com Putin e Alemanha quer enviar tropas adicionais aos países bálticos | fora do país

O presidente francês Emmanuel Macron ligou para o presidente dos EUA, Joe Biden, antes de sua visita a Moscou. A Casa Branca disse que a conversa de domingo girou em torno do conflito na Ucrânia. A Alemanha, por sua vez, está pronta para enviar tropas adicionais aos estados bálticos. Isto foi afirmado pelo chanceler alemão Olaf Schulz, domingo, antes de partir para Washington, onde se reunirá com o presidente norte-americano na segunda-feira.




Biden e Macron discutiram “esforços diplomáticos em andamento e medidas de dissuasão em resposta ao contínuo aumento militar russo nas fronteiras da Ucrânia”. Reafirmaram seu apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia. Paris anunciou que a conversa durou quarenta minutos.

Macron viajará a Moscou na segunda-feira para se encontrar com o líder russo Vladimir Putin. Os dois chefes de Estado já tiveram três conversas de crise por telefone nos últimos dias. A França ocupa atualmente a presidência da União Europeia.

Em uma conversa telefônica entre o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e seu colega francês, Jean-Yves Le Drian, no domingo, o conflito na Ucrânia também foi central. O Departamento de Estado dos EUA em Washington disse que era um “esforço conjunto para fortalecer o flanco leste da Otan”.

Antes de sua visita ao Kremlin, Macron afinou um violino com o chanceler Olaf Schultz, que fará sua primeira visita a Biden na segunda-feira. O conflito ucraniano também desempenhará aí um papel importante.

“Estamos prontos para fazer o que for preciso” para reforçar a presença da Alemanha nas operações da Otan nos países bálticos, disse Schulz à rádio alemã ARD no domingo. A Alemanha lidera a operação da OTAN na Lituânia, onde 500 soldados alemães estão destacados.

READ  Em campo | Onze fotograaf in de vernielde stad Irpin: 'Er worden nu vooral bodybags weggedragen'

Veja também: Rússia queria distribuir um vídeo falso do ataque à Ucrânia

No final da semana, o chanceler alemão se reunirá com líderes dos países bálticos em Berlim e, durante o mês, viajará para a Ucrânia e a Rússia.

Schulz, que sucedeu Angela Merkel em dezembro, também confirmou no domingo que a Alemanha se recusa a fornecer armas à Ucrânia. Ele ressaltou que a Alemanha há anos segue a linha de não fornecer armas em áreas de crise.

100.000 soldados russos

O Ocidente teme que a Rússia invada a Ucrânia, porque dizem que cerca de 100.000 soldados russos estão estacionados na fronteira. A Rússia nega a existência de tais planos, mas exige garantias de segurança. Por exemplo, a Ucrânia quer não poder aderir à OTAN.

Veja também: As Nações Unidas estão reunidas em torno da Ucrânia, mas isso fará alguma coisa?

Leia também:

Análise. Enquanto todos olham para a Ucrânia, Putin está discretamente anexando outro país vizinho (+)

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
guiadigital.info