Lusófona está explorando o potencial da África

Isabel dos Santos, filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos, recusou-se a negociar com Agostino Pereira de Miranda, CEO do maior escritório de advocacia de Portugal no sector do petróleo e gás, quando era responsável pela petrolífera estatal Sonangol. Em 2015, mais de 20 dos principais advogados de Miranda decidiram que queriam negócios com a Sonangol, então mudaram o trecho de um quilômetro no centro de Lisboa para a firma rival Viria de Almeida.

consulte Mais informação Angola: A caminho de bilhões roubados

Mas Pereira de Miranda previu. Seis anos após a eclosão do escândalo Isabel dos Santos na sequência das revelações nos documentos ‘Luanda leaks’, o advogado angolano já reclama a posse de acções na NOS, a maior empresa de telecomunicações em Portugal, e Energy Utility Gulf.

Lavagem suja

Portugal não é o único país As exposições à corrupção relacionadas com a África precisam ser calculadas. Em 2016, a empresa brasileira Odebrecht admitiu ter pago US $ 50 milhões em propinas em 11 países, incluindo Moçambique. A aprovação faz parte de um abaixo-assinado, depois que a Odebrecht foi envolvida na maior investigação de corrupção do Brasil.Lava-jato‘(‘ Lava-jato ‘).

Quão devastadores são esses escândalos para as relações com os países africanos? Pereira de Miranda escapou à retirada dos seus aliados, argumentando que hoje as relações Portugal-Angola vão escapar à queda do império empresarial de Isabel dos Santos.

“Talvez a imagem de Portugal seja afectada pelo desempenho e rigor dos seus sistemas de ‘compliance’, mas não tem qualquer influência na forma como os investidores ou parceiros de negócios veem o país e as oportunidades que oferece”, afirmou. Africa Report.

Numa análise prospectiva, as pequenas e médias empresas (PME) portuguesas estão em linha com a evolução da economia angolana, onde a diversificação do petróleo se tornou mais urgente do que nunca. No entanto, o governo de Portugal e os grandes grupos empresariais não têm conseguido criar novas penetrações nos mercados africanos mais avançados.

Coalizão de Investimento da UE

Até janeiro de 2021, Portugal detém a presidência rotativa de seis meses do Conselho Europeu (UE), o que coloca África no topo da sua agenda de política externa. O ministro das Relações Exteriores, Augusto Santos Silva, viajou a Maputo em fevereiro para expressar o apoio da UE ao governo moçambicano sobre o levante de Cabo Delgado.

Portugal não poderá realizar a cimeira UE-África duas vezes mais tarde devido às restrições em torno da epidemia do Govt-19. A cúpula, quando finalmente acontecer, é para aprovar a aliança África-Europa, que visa a criação de empregos na África por meio de investimentos do setor privado. Francisco Montero, chefe da Rede África Europa para Negócios na Europa em Bruxelas, tem uma visão menos otimista do que Pereira de Miranda.

“Portugal não tem uma política firme para África Porque não tem capacidade financeira nem recursos humanos ”, afirma. Segundo Montero, Portugal não é suficiente para ajudar as suas empresas a terem acesso a fundos de desenvolvimento em Bruxelas para crescer no âmbito da nova aliança África-Europa, e o investimento português e a ajuda ao desenvolvimento em África estão a diminuir.

O ex-chanceler português Francisco Almeida Light, ex-presidente-executivo da Normetal, fabricante de materiais de construção com atuação na África, também defende a necessidade de canalizar recursos europeus para projetos, especialmente em Angola. “Angola tem potencial em muitas áreas menos no petróleo, principalmente na agricultura e em algumas outras indústrias”, afirma.

Almada Lite recomenda que as empresas procurem fontes alternativas de financiamento, “Claro que temos financiamento do Banco Africano de Desenvolvimento e da UE, mas a implementação às vezes é tão complicada que não é uma solução”, disse ele, acrescentando que o financiamento europeu centrado na agricultura Agrify e Electrify, que apoia a eletrificação rural.

READ  Os britânicos ficaram presos em Portugal por mais de 90 dias

Almeida Light afirma que o investimento em África vai crescer se as empresas portuguesas tiverem melhor acesso ao capital e um parque infantil com as suas congéneres europeias. Os comerciantes portugueses “adoram o continente. Eles conhecem muitos países. Eles sabem fazer negócios e, acima de tudo, amam a África e seu povo. ”

Atualmente, há muito roubo diplomático em Angola. Um angolano, Georges Rebel Pinto Sikodi, é o Secretário-Geral da Organização das Organizações da África, Caraíbas e Pacífico, que está a negociar o quadro pós-Cotono para as relações entre a União Europeia e os seus 79 países membros em desenvolvimento.

Viagem sem visto

Angola também vai aceitar a presidência De Comunidade de países de língua portuguesa (CPLP) julho. Nos últimos meses, os Estados membros – incluindo a Guiné Equatorial de língua espanhola – têm negociado uma zona de viagens sem visto. Deve ser desenvolvido formalmente na próxima cúpula.

Segundo Jaime Noguevara Pinto, historiador, escritor político e CEO da Capers Business Consulting, Angola tem uma identidade especial no círculo eleitoral lusófono. Ele diz que o país agora governado pelo presidente Jonah Lureno tem “elites políticas, militares e cultural-operacionais no partido no poder e na oposição que entendem a importância da unidade nacional e da visão estratégica”.

O que a CPLP precisa, diz, é “criar uma identidade para além de discursos amigáveis ​​e politicamente corretos” onde a sua presidência em Angola faça a diferença. Mas ele alerta que epidemias, questões de segurança em Moçambique ou questões de direitos humanos na Guiné-Pisa podem ser grandes desafios. “A política de Portugal para a África é algo que ouço há 40 anos, mas, infelizmente, as ações a ela associadas estão atrasadas”, diz Noguevara Pinto.

READ  Onde seguir a programação e na TV

O brasil precisa de uma estratégia

O Brasil também carece de foco estratégico. Jono Bosco, presidente do Instituto África, com sede no Brasil, está preocupado com a “miopia do presidente Jair Bolzano no atual governo” e “não reconhece o grande potencial que a África tem”. Sob seus antecessores Dilma Rousseff e Michael Demer, já havia uma tendência de queda após o boom histórico de comércio e investimentos de Luís Inácio ‘Lula’ da Silva.

O boom de Lula foi, claro, patrocinado, principalmente Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Para empresas como a Odebrecht, hoje desacreditadas. Segundo Bosco, a imagem da Odebrecht está “manchada”, o que não compromete as empresas brasileiras no contexto africano.

“Hoje, o papel do governo precisa ser reconsiderado. Os fundos públicos não devem ser atribuídos a um número específico. A corrupção da Odebrecht mostra que iniciativas públicas e privadas podem ser combinadas, mas com medidas limitadas e muito concretas, são objetivas e relevantes ”, diz Bosco. Africa Report.

Ao contrário de Portugal, o Brasil não concentra suas relações na África nos países de língua portuguesa. A África do Sul e a Nigéria são parceiros importantes como parte do grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). “As empresas precisam enxergar o potencial do continente como um todo. Em todas as regiões da África, há países que podem e devem ser visados ​​pelo Brasil”, diz Bosco.

Ele ressalta que a rede de cooperação que Lula recebeu da presidência continua funcionando. O mesmo vale para os institutos de pesquisa do governo brasileiro (Embroba) em agricultura, fármaco (Fiocruz) e capacitação (Cenac e Sena), que executam diversos projetos no continente. “É uma força branda em operação na África”, diz Bosco. “O legado mais importante para o Brasil.”

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

guiadigital.info