Fabricado em Portugal: uma alternativa à produção antiética de roupas? – Moda

Se ler a etiqueta de uma mala de mão, blusa ou meia belga, vai ler mais que é ‘made in Portugal’. Os fabricantes portugueses oferecem qualidade a preços acessíveis, por isso existe uma forte concorrência entre a produção em massa chinesa e os estúdios de luxo italianos.

Graças a Vasco da Gama & Co., Portugal abordou inicialmente tecidos exóticos como a seda da Índia e o algodão de África e do Brasil. Estes foram transformados em peças de vestuário para o mercado doméstico. Então, depois de mudar para as máquinas, a indústria têxtil começou bem. Empresários bem formados, principalmente no norte de Portugal, estão a usar com entusiasmo o seu dinheiro e visão durante este período e lançando as bases para uma indústria em crescimento.

Graças a Vasco da Gama & Co., Portugal abordou inicialmente tecidos exóticos como a seda da Índia e o algodão de África e do Brasil. Estes foram transformados em peças de vestuário para o mercado doméstico. Então, depois de mudar para as máquinas, a indústria têxtil começou bem. Empresários bem formados, principalmente no norte de Portugal, estão a usar com entusiasmo o seu dinheiro e visão durante este período e lançando as bases para uma indústria em crescimento. Nos anos 1990, com preços baixos e produção em massa, Portugal tornou-se a ‘China da Europa’. Mas a chegada do euro custou tudo e os fabricantes asiáticos os ultrapassaram. Após a crise financeira, uma nova geração assumiu o comando e deu mais atenção à expertise, qualidade e detalhe, juntamente com preços favoráveis. Isso despertou o interesse de muitas marcas europeias, como a marca de jeans belga Eat Dust. Designer Aline Walter: ‘Produzimos em Portugal há mais de dez anos, o que significa que aí permanecemos de excelente disposição e de boa qualidade. Os portugueses são muito hábeis na confecção de jersey e malhas e têm muito conhecimento quando se trata de confecções prontas. As fábricas na Ásia podem parecer muito modernas, mas em Portugal tudo é limpo e eficiente. As condições de trabalho são parecidas com as nossas, mas a vida lá é mais barata e o salário mínimo é menor ‘, explica. À medida que a Polónia, a Roménia e a Bulgária aderem à UE com o seu forte setor do vestuário, Portugal continuará a apostar na qualidade e na alta qualidade. ‘É um país moderno e os estúdios ficam perto de boas cidades, o que torna o trabalho muito agradável’, diz Walter. Fomos nós mesmos ver a Bulgária e a Romênia. As fábricas estão localizadas em algum lugar no meio. Ficamos um pouco chocados: parecia que havíamos acabado na parte oriental dos anos 60. O salário é ainda mais baixo do que em Portugal. ‘Com qualidade comparável à França ou Itália, mas com menor custo de mão de obra, atrai nomes como Prada e Gucci made in Portugal e as linhas premium de redes como COS e Zara. A proximidade é vantajosa em termos de cultura e linguagem. Walter: ‘É perto de casa. Além de economizar tráfego, você pode facilmente ir até lá algumas vezes por ano para discutir detalhes. Você tem uma conexão pessoal com seu produtor – os relacionamentos são muito importantes para eles. Nas mega fábricas da Ásia, o seu contacto está em constante mudança, em Portugal trabalha-se com pessoas reais. A indústria portuguesa de vestuário e têxtil tem uma estrutura transparente: sem grandes preocupações, mas principalmente empresas familiares com PME locais e colaboradores fiéis. Há outra vantagem neste tamanho pequeno: encomendas pequenas não são problema, é adequado para marcas muito exclusivas ou de pequena qualidade. ‘Claro que você pode produzir muito mais barato na Ásia, mas as quantidades que você precisa pedir são muito altas para a nossa marca’, diz Walter. Um dos hobbies dos tecelões portugueses é a novidade. Eles se destacam em produtos técnicos, como artigos esportivos, mas estão na vanguarda da produção têxtil e higiênica sustentável. Muitas vezes, as empresas gerenciam toda a cadeia de produção, desde a fiação e tecelagem até a coloração e acabamento. Contribui para a inovação e transparência. Ao contrário do mercado asiático, é fácil de encontrar em Portugal porque nem sempre tem a certeza das condições de trabalho e do impacto ambiental. Os regulamentos europeus aplicam-se em qualquer caso e todas as empresas devem cumprir a legislação ambiental, tal como nós. Na Bélgica, porém, existem algumas possibilidades em termos de produção, diz Walter. ‘Você acaba em um estúdio muito pequeno, ou apenas os modelos são feitos na Bélgica e a produção real ocorre no exterior. Pode controlar onde e por quem as suas peças são feitas em Portugal. Houve muita espera antes do Brexit, mas as marcas britânicas permaneceram e montaram centros de distribuição (e taxas de importação dobradas) para evitar um problema prático. Mas a crise da coroa e o aquecimento global exigem cadeias de produção mais curtas e transportes mais curtos (de longa distância). Pode jogar a favor de Portugal. Walter concorda que depois de duas horas de voo para o Porto é um luxo lá chegar. Estamos muito satisfeitos por produzir tanto que continuará a ser o mesmo na Europa. Não temos a intenção de que o doce desapareça de Portugal. As empresas para as quais trabalhamos estão em plena expansão. Duas fábricas novas, grandes e modernas estão agora incluídas. Os negócios vão muito bem: mais marcas europeias regressam da Ásia para apoiar Portugal. Os livros de pedidos estão embalados e ainda precisamos ter cuidado para não perder nosso espaço. ‘

READ  30 boaventura mais qualificados

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

guiadigital.info