A maior cidade de Portugal sem trilhos está recuperando uma ligação ferroviária perdida

Portugal possui a menor rede ferroviária da Europa Ocidental. Muitas cidades domésticas perderam suas estações durante o ‘assassinato do trem’. Em nenhum lugar o trem falhou como Visayas. O governo promete reunir a cidade – mas ninguém em Visu acredita nisso.

Quantas vezes Jono Paulo Cueva teve a mesma conversa forte? Os navios fazem tudo o que podem para atrair grandes empresas para Vishu. Essas conversas geralmente começam bem. “A cidade é segura?” Claro. “A cidade está limpa?” A limpeza não é possível. “Os residentes são altamente qualificados?” Sim, graças à sua própria universidade. “Existe um trem com certeza?”

É esta a questão que Couvia (44) tem mais medo. Porque não, Viseu não tem estação ferroviária, mas tem uma população de quase um lakh. Situada no sertão norte de Portugal, é a maior província do país sem ligação ferroviária. “E um dos maiores da Europa”, acrescenta Gouvia à frustração. “É uma vergonha.”

O problema de Visayu não é isolado. Toda a rede ferroviária de Portugal está muito atrasada. Em 1893, o jornal diário calculava o número de trens-quilômetros no país Em geral. Com 2,8 quilómetros por 100 quilómetros quadrados, Portugal tem a segunda menor rede ferroviária da Europa Ocidental e Meridional. Só a Grécia tem menos ferrovias, mas tem milhares de ilhas.

Algo que explica porque é que Portugal é relativamente escassamente povoado, mas não todo. A Espanha é pouco povoada, mas monitorada de perto, embora seu vizinho ibérico não seja campeão ferroviário. A Irlanda também se aplica à ilha, por isso não está conectada aos trens europeus.

Motor sob graffiti

O governo português também considera que a rede não é muito boa. Em abril, ele apresentou um plano definitivo para levar o trem a todas as cidades onde vivem mais de 20.000 pessoas. Parte do plano é devolver o trem à Visa.

Porque é uma loucura: Visu tinha uma pista com conexões oeste e sul. Essas linhas são muito desatualizadas e, eventualmente, apenas um trem a vapor circulava. Em 1989 e 1990, o governo fechou ambos os impostos. A South Theo Line é agora a rota preferida para caminhadas e ciclismo, passando pelos túneis ferroviários e por abóbadas protegidas. A velha máquina ainda está lá, coberta de ossos e pichações.

Survival é a centenária estação ferroviária de Visay. Foi demolido em 1994 para uma rotunda tranquila. Nada me lembra da majestosa estação agora. É apenas em memórias como Leopoldo Carvalho (87) que ele arranhou um terraço em uma rotatória. LamaAs raspadinhas mais populares.

“Em 1949 meu pai me cavalgou”, conta Carvalho. “Ele me deixou na estação da nossa colônia, Angola.” Havia um trem naquela cidade e agora não imagino, disse o amigo Antonio Tavares, de 66 anos. Um dos símbolos da loteria é um Trem, Um trem. Como o diabo brincando com isso.

Não se engane com Tavares: ele gosta de Roundana como todo mundo Visão. Chamada de City of Roundabout com mais de cem cópias. Mas isso é uma rodada? “Que erro incrível é esse.”

Genocídio ferroviário

Como na Visa, Portugal mudou muitas ferrovias por rodovias e rotatórias desde a década de 1980. A propriedade de carros é alta e instalar asfalto é muito mais barato do que atualizar e manter uma rede ferroviária desatualizada. O resultado foi ConvoysideAssassinato de trem. Mais de 1.000 quilômetros da rota foram perdidos.

Afectou principalmente o interior onde vive um quarto dos portugueses. Várias capitais regionais, incluindo Vila Real (52.000 pessoas) e Bragança (35.000), perderam suas estações de trem, mas o trem não falhou em nenhum lugar como Visayas. Moradores e visitantes sem carro devem pegar o ônibus. Oferece uma bela vista, mas não o auge do conforto devido ao caminho acidentado da praia.

A velha estação ferroviária deve seguir até a rotatória silenciosa.Campo Gonzalo Fonseka

Francisco Melo (21) tropeçou um pouco no ponto de ônibus da VC. Estudante de administração de empresas conclui viagem de ônibus de três horas saindo de Viena do Costello, uma cidade portuária ao norte do Porto. Esta é a distância entre Austent e Hazelt. “Vou a Viena todas as semanas com a conexão de trem. Pego comida e roupas dos meus pais.”

Infelizmente para Melo, uma linha direta com a casa de sua infância não está nas estrelas. O governo nacional propõe em seu projeto ferroviário que haja uma ferrovia de Visuo a Avro, também na praia. A partir daí, os viajantes podem viajar para norte (para o Porto) e sul (para Lisboa).

Objetivos não são suficientes

O plano não é muito detalhado. Com base no primeiro mapa, o governo do primeiro-ministro Antonio Costa quer primeiro fazer um debate social sobre o futuro das ferrovias. Somente em 2022 será lançado um projeto de lei que requer aprovação parlamentar.

Portanto, perdoe-o se ele disser aos navios da Covia na elegante prefeitura de Visuway que ainda não viu. “Os motivos são bons, mas não há estudos nesta linha.”

O BS, partido de esquerda no governo, quer pontos mais baratos antes das eleições municipais de setembro. Depois disso, o partido tradicionalmente esquecerá Visayu, um reduto de centro-direita.

Há todos os motivos para duvidar de Covia. O governo não incluiu as ferrovias em seus planos para o European Corona Rescue Fund em abril. Portugal pede centenas de milhões para a expansão das redes de metro de Lisboa e do Porto – como essas cidades ainda não estão à frente, murmura Couvia.

Portugal não gastou o euro do fundo de resgate em outras ferrovias planejadas. O governo já se desculpou por isso nos planos, escrevendo que também existem outros tanques de subsídios europeus. Uma delas é a instalação europeia de conexão (CEF), um fundo de cerca de ில்லியன் 24 bilhões a ser distribuído até 2027.

A velha máquina ainda está lá, coberta de ossos e pichações.  Estátua de Gonzalo Fonseka

A velha máquina ainda está lá, coberta de ossos e pichações.Campo Gonzalo Fonseka

Problema: Desde 2015, Portugal já tentou duas vezes obter um visto ferroviário com uma concessão do CEF de 400 400 milhões. No futuro, isso pode se estender a Salamanca, na Espanha. Por duas vezes, a Comissão Europeia abandonou o projeto porque o desempenho da linha era inadequado.

Portugal não conseguiu arcar com os custos totais, 75 675 milhões. Para que a pá não entre no solo. É assim que a maioria dos projetos funciona. Do dinheiro que o país queria investir em ferrovias entre 2015 e 2024, apenas 12 por cento foi gasto até maio.

Os alunos saíram da cidade

Gouvia acredita que tanto o governo quanto a União Europeia devem tomar nota da falta de uma fila de visto. Sem acessórios, o interior está vazio. As instalações estão se deteriorando. Deve pesar o lucro do imposto. “Se você apenas olhar para isso, dois terços do governo podem ser eliminados.”

No entanto, eles fazem isso: em 2030, o trem deve ir para sua cidade. Visayu exige e tem direito a isso. “Mas as pessoas aqui não vão acreditar.”

Isso é evidente no Café Avenita em Roundana, que evacuou a estação há trinta anos. Largue a palavra “treinar” e você será ridicularizado. 2030? Se tudo der certo, no início dos anos 3000.

A história de Tânia (29) e Gonzalo Almeida (28), sentados ao ar livre sob uma sombrinha, ilustra que a ausência de vestígios tem consequências. Como os dois vieram de vilas próximas, eles estudaram e permaneceram em Vishu. Mas não para a maioria de seus colegas estudantes. Eles deixaram Visue com maiores oportunidades econômicas e se mudaram para uma cidade maior. Tania: “Eles sempre reclamaram do ônibus.”

Eles acham que uma ligação ferroviária ajudará os negócios e manterá os jovens altamente qualificados em sua cidade. Até então, é necessário o visto no trem turístico, um carro fantasiado de trem passa por você nos pontos turísticos. Foi ainda recentemente na garagem com um mau funcionamento do motor.

READ  Se já estivesse em Portugal, o que faria se os seus conselhos de viagem mudassem para laranja? - Novos itens

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

guiadigital.info